Dissertação

Análise computacional da fractura em corpos vertebrais EVALUATED

Uma das doenças que mais afecta pessoas idosas é a osteoporose, sendo uma das principais consequências desta doença a fractura de corpos vertebrais, devido à diminuição da densidade óssea. Assim a vértebra fica mais frágil o que a torna mais propensa a fracturas, essas fracturas podem provocar muitas dores na coluna do paciente. Torna-se então fundamental desenvolver métodos que tentem perceber melhor esta doença e que possam evitar as fracturas, para tal os modelos de elementos finitos (EF) surgem como uma ferramenta que pode dar um contributo importante para o desenvolvimento de metodologia. Assim o nosso principal objectivo passou por tentar encontrar uma metodologia que pudesse definir um critério de falha para a vértebra, e que através desse critério fosse possível definir a probabilidade de fractura da mesma. Foi desenvolvido um modelo de EF através de imagens de TAC (Tomografia Axial Computorizada) de uma vértebra humana saudável e do apoio de um modelo de remodelação óssea, desenvolvido pelo grupo de investigação do IST, que permitiu fazer a simulação dos modelos osteoporóicos. Com o critério de falha definido foi possível comparar os casos osteoporóticos com o caso saudável, com esta análise encontramos as áreas críticas da vértebra à fractura. Podemos afirmar que a zona anterior da vértebra é a mais crítica, o que coincide com as imagens de TAC de vértebras fracturadas. Quanto maior o grau de osteoporose maior a região afectada, definida pelo critério de falha, e consequentemente maior a probabilidade de fractura.
Osteoporose, Fractura de corpos vertebrais, Modelos de FE, Modelo de remodelação óssea, Vertebroplastia e Cifoplastia

Novembro 7, 2016, 10:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

Paulo Rui Alves Fernandes

Departamento de Engenharia Mecânica (DEM)

Professor Associado

ORIENTADOR

João Orlando Marques Gameiro Folgado

Departamento de Engenharia Mecânica (DEM)

Professor Auxiliar