Dissertação

Da memória ao papel; do papel para a terra; da terra ... Memória. Quatro casos de reabilitação de conjuntos rurais para uso turístico no Alentejo EVALUATED

O Alentejo é a zona do país menos provida de construção. Os seus conjuntos rurais, dispersos, assumem-se como bastiões da identidade agrária que lhe persiste. A sua posição enquanto exemplo ou, antagonicamente, repúdio, no espectro do tratamento da arquitectura vernácula, ainda estará por definir. Interpretou-se assim a pertinência deste estudo, que pretende reflectir sobre o exercício de reutilização do conjunto arquitectónico isolado, nesta região — o monte. Limitou-se, no entanto, o alcance da análise a requalificações para alojamento turístico. As Casas Caiadas, em Arraiolos, do arquitecto Luís Pereira Miguel; o Monte da Azarujinha, em Évora, dos arquitectos Aboim Inglez; o Torre de Palma Wine Hotel, em Monforte, do arquitecto João Mendes Ribeiro; e a Herdade de São Lourenço do Barrocal, em Monsaraz, do arquitecto Eduardo Souto de Moura, compõem a amostra eclética de intervenções que detém o foco desta exposição. A partir das intervenções e do pensamento dos autores, pretende-se decifrar o significado e preponderância da Memória enquanto sentido que conduz e justifica as iniciativas projectuais. Este exercício não é possível sem uma base singular, de cariz teórico, que suporte a análise crítica das obras. Nesta fundamentação destaca-se uma analogia singular de ideais próprios do universo urbano para o contexto rural. Da qual se retiram conceitos específicos que evidenciam a comparação crítica dos casos de estudo como ponto de partida de uma reflexão à abordagem contemporânea à arquitectura vernácula alentejana, no meio rural.
Património Cultural, Memória, Arquitectura Vernácula, Monte Alentejano, Reabilitação, Turismo Rural

Novembro 28, 2018, 11:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

João Rosa Vieira Caldas

Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos (DECivil)

Professor Auxiliar