Dissertação

O Parque Eduardo VII e o novo Centro de Congressos de Lisboa EVALUATED

Localizado no eixo central da cidade, o Parque Eduardo VII foi escolhido para este enunciado como objeto de estudo e análise para a possível implantação de um Novo Centro de Congressos. O desenho de um equipamento com esta escala e relevância requer uma reflexão alargada quer sobre a revitalização deste espaço urbano, quer sobre toda a sua articulação com a cidade e os equipamentos envolventes já existentes. Assim este projeto levou a decisões de escala urbana, onde o repensar do espaço público foi sempre um fator decisivo para a conceção dos principais elementos arquitetónicos. Assume-se a importância patrimonial do presentemente denominado Pavilhão Carlos Lopes, a necessidade da sua reconversão e participação na conceção de toda a proposta. Integra assim a principal articulação vertical entre todos os pisos do novo edifício, que se vai desenvolver sob este. A característica mais evidente desta proposta define-se pela sua estreita relação entre espaço exterior e interior, público e construído. A integração do traçado original do parque, trabalho notável do Arquiteto Keil do Amaral, com a sua implantação urbana foi pensada como um todo, de forma a que este novo equipamento opere como elemento funcional em termos de acessibilidade e regeneração funcional. Para além dos espaços dimensionados para o programa pré-definido, veicula-se o diálogo com novas vivências no parque impulsionando diferentes dinâmicas, criando novos estímulos que conduzem para a sua revitalização.
Parque Eduardo VII, Centro de Congressos, Pavilhão Carlos Lopes, Identidade, Revitalização

Junho 27, 2017, 10:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

António Salvador de Matos Ricardo da Costa

Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos (DECivil)

Professor Auxiliar