Ver Post

Prova de Agregação

15 Junho 2011, 16:34 - Helena Maria Lopes Romão Borges

Candidata: Doutora Ana Maria Severino de Almeida e Paiva

Relatório: "Autonomous Agents and Multi-Agent Systems"

Sumário da Lição: "Emotional Agents: From Theories to Architectures"

Local da Prova: Anfiteatro PA-3 (Edifício de Pós-Gradução) do IST

Data: 21/06/2011 e 22/06/2011 às 14.30H

Titulo: "Agentes com Emoções"

Resumo: Agentes autónomos são sistemas computacionais (robóticos ou de software) que percepcionam o mundo através de seus sensores e actuam no mesmo através dos seus actuadores. Nos últimos 20 anos a área dos agentes cresceu grandemente, tendo sido desenvolvidos diversos modelos e arquitecturas a fim de criar agentes capazes de comportamento inteligente. Mas, por detrás da criação destes agentes, há a necessidade de encontrar princípios baseados em modelos de racionalidade que guiem a tomada de decisões dos mesmos. No entanto, racionalidade pressupõe diversos fenómenos cognitivos, e as emoções são actualmente consideradas tão importantes para o comportamento humano racional como outras áreas. De facto, nas últimas décadas, tem-se vindo a descobrir que o papel das emoções na cognição e comportamento humano é bem maior do que inicialmente se pensava. O trabalho de investigadores em áreas como as neurociências, com o trabalho de LeDoux, e de Damásio, ou da psicologia, com os trabalhos de Frijda, Lazarus e Scherer, entre outros, tem de facto dado um grade destaque às ciências afectivas e ao seu papel no estudo do comportamento inteligente.
Por outro lado, nesta última década assistimos ao nascimento de uma nova área de investigação, "Affective Computing", que combina as ciências afectivas com a engenharia informática. Esta área visa investigar a criação de máquinas/computadores que tentam perceber, interpretar, modelar ou deliberadamente evocar emoções humanas (como definido pela R. Picard  no seu livro "Affective Computing"). É de facto aqui que se desenvolvem métodos e técnicas para interpretar as emoções dos utilizadores, e por outro lado, sintetizar emoções em computadores.
Assim, é neste contexto que surge área dos agentes emocionais, com sub-tópico dos agentes autónomos e onde se investigam formas de simular comportamento emocional em arquitecturas de agentes. Estas arquitecturas vão beber inspiração em modelos psicológicos ou fisiológicos dos seres humanos incorporando características que lhes permitem ir além do comportamento puramente racional, baseado numa função de utilidade. As arquitecturas de agente emocionais são geralmente arquitecturas híbridas, relativamente complexas, que combinam uma componente reactiva com uma componente deliberativa.
Esta aula sobre agentes emocionais tentará assim dar uma breve visão geral desta nova área de investigação, concentrando-se principalmente em arquitecturas de agentes com emoções bem como nas suas aplicações, tentando facultar alguns exemplos concretos de trabalhos realizadas pelo grupo GAIPS do IST e do INESC-ID.