Dissertação

{pt_PT=O efeito messiânico causado pelo altruísmo patológico} {} EVALUATED

{pt=Darwin definiu a evolução como um processo dinâmico baseado na competição e na luta pela sobrevivência. Nesta busca, ele deparou-se com um grande paradoxo ao perceber que a cooperação era abundante na Natureza. Desde então, entender como a cooperação pode evoluir permanece um desafio aberto para uma ampla gama de disciplinas, em situações em que indivíduos egoístas são encorajados pela evolução. Nesta dissertação, apresentamos um novo estudo sobre o impacto de comportamentos patológicos na evolução da cooperação. Estes indivíduos seguem a sua própria agenda, seja desertando ou cooperando, incondicionalmente. Para analisar o seu impacto, recorremos a diferentes dilemas sociais e às ferramentas da teoria dos jogos evolutivos e da ciência em rede. Incorporamos diversidade social ao utilizarmos interações em redes livre de escala. Neste tipo de rede, a maioria dos indivíduos tem poucas conexões e poucos indivíduos têm muitas conexões (Hubs). Mostramos que quando se converte estes indivíduos em altruístas patológicos, são necessários apenas alguns para ter um impacto positivo e significativo em toda a rede. levando a população como um todo à cooperação. Altruístas e egoístas patológicos podem ser vistos como seres humanos com preferências pró-sociais, mas também como entidades artificiais projetadas para um fim específico. De facto, em breve viveremos numa sociedade híbrida, composta por seres humanos e agentes artificiais. Neste contexto, sugere-se que algumas entidades cuidadosamente projetadas, colocadas em posições centrais na rede, seriam suficientes para levar populações inteiras a comportamentos pró-sociais. No entanto, o inverso ocorrerá se essas entidades forem desertores patológicos., en=Darwin defined evolution as a dynamical process based on competition and struggle for survival. In this quest, he faced a great paradox when he realized that cooperation was abundant in Nature. Since then, understanding how cooperation can evolve remains an open challenge for a broad range of disciplines, in situations where selfish individuals are encouraged or selected by evolution. In this thesis, we present a new study on the impact of pathological behaviours in the evolution and self-organization of cooperation. These individuals follow a fixed pre-defined agenda, either by defecting or by cooperating, unconditionally. To analyze their impact we resort to different social dilemmas and the tools of evolutionary game theory and network science. We incorporate social diversity using scale-free interaction networks. In this networks, most individuals have few connections, and a few have many ties (the Hubs). It is shown that when these individuals are converted into pathological altruists, only a few are needed to have a significant positive impact on the entire network, nudging the population as the whole into cooperation. Pathological altruists and defectors can be seen as humans with particular prosocial preferences, but also artificial entities designed for a specific task. In fact, we will soon face a hybrid society composed of human beings and artificial agents. In this context, it is suggested that some carefully designed entities placed in central positions in the network, would be sufficient to bring entire populations into pro-social preferences. However, the reverse will occur if these entities are pathological defectors.}
{pt=Redes complexas, Cooperação, Teoria evolutiva dos jogos, Altruísmo, Dilemas Sociais, en=Complex Networks, Cooperation, Evolutionary Game Theory, Altruism, Social Dilemma}

Junho 19, 2019, 14:30

Orientação

ORIENTADOR

Francisco João Duarte Cordeiro Correia dos Santos

Departamento de Engenharia Informática (DEI)

Professor Associado