Dissertação

{en_GB=Reward and Punishment in Climate Change Dilemmas} {} EVALUATED

{pt=Acordos climáticos podem ser formulados como problemas de bem comum que envolvem grupos de indivíduos. Através desta abordagem, pode-se requerer um número mínimo de cooperadores dentro do grupo para preservar o meio ambiente com sucesso. Além disso, as decisões individuais podem depender da perceção de risco associado a perdas futuras. Neste trabalho é investigado o impacto da implementação de recompensas e sanções neste tipo de empreendimento coletivo — batizado como Dilema de Risco Coletivo — através de uma abordagem dinâmica e evolutiva. Os nossos resultados são gratificantes, dadas as limitações à priori dos mecanismos de sanções neste contexto global: Por um lado mostramos que incentivos positivos (recompensas) são essenciais na promoção da cooperação, principalmente quando a perceção de risco é baixa e o número de indivíduos cooperadores é reduzido. Por outro lado, incentivos negativos (sanções) podem servir para manter a cooperação, depois de esta já estar instalada. Por fim, mostramos como o Dilema de Risco Coletivo é alterado através da sinergia entre recompensas e sanções, quando estas atuam em simultâneo., en=Climate Change agreements may be conveniently formulated in terms of Public Goods Dilemmas involving groups of individuals. In this framework, one may require a minimum number of cooperators in the group before effective collective action ensues. Furthermore, decision-making may be contingent on the risk associated with future losses. Here we investigate the impact of Reward and Punishment in this type of collective endeavors — coined as Collective Risk Dilemmas — by means of a dynamic, evolutionary approach. Our results are gratifying, given the a-priori limitations of sanctioning in Collective Risk Dilemmas: On the one hand, we show that positive incentives (rewards) are essential to foster cooperation, mostly when both the perception of risk is low and the overall number of engaged parties is small. On the other hand, we find that negative incentives (sanctions) act to maintain cooperation, after it has been installed. Finally, we identify the conditions in which cooperation benefits from synergistically combining rewards and sanctions into a single policy.}
{pt=Alterações Climáticas, Cooperação, Recompensas, Teoria de Jogos Evolutiva, Sanções, en=Climate Change, Cooperation, Evolutionary Game Theory, Punishment, Reward}

Junho 14, 2018, 9:0

Orientação

ORIENTADOR

Francisco João Duarte Cordeiro Correia dos Santos

Departamento de Engenharia Informática (DEI)

Professor Associado

ORIENTADOR

Fernando Pedro Pascoal dos Santos

Departamento de Engenharia Informática (DEI)

Colaborador Docente