Dissertação

{pt_PT=MARCUS: Um Modelo de Maturidade para Gestão do Risco de Corrupção e Infrações Conexas} {} EVALUATED

{pt=Desde 2009, todas as organizações que em Portugal gerem dinheiros, valores ou patrimónios públicos devem, a pedido do Concelho de Prevenção da Corrupção (CPC), elaborar um plano de gestão de risco de corrupção e infrações conexas (PGRCIC). Um estudo efetuado pelo CPC em 2015 revelou que estes planos são uma ferramenta útil no combate à corrupção. Contudo, verificou-se que a maioria das organizações não seguia um método formal na sua elaboração, o que resultou numa elevada heterogeneidade entre os diversos planos. Neste contexto, neste trabalho foi desenvolvido um modelo de maturidade para a avaliação de processos de gestão de risco de corrupção e infrações conexas (MARCUS). Os modelos de maturidade permitem às organizações compreender como é que os processos devem evoluir ao longo do tempo através de níveis discretos, diagnosticar a capacidade dos seus processos e efetuar análises comparativas entre si. O MARCUS foi desenvolvido através de um processo iterativo e encontra-se alinhado com o processo de gestão de risco estabelecido pela norma ISO 31000. Inclui também as melhores práticas presentes na literatura de gestão de risco de corrupção e fraude. O MARCUS foi validado por especialistas com experiência relevante na área e através da sua aplicação em contexto real a quatro organizações, através de um questionário. Conclui-se que o MARCUS é uma ferramenta útil na avaliação e melhoria de um processo de gestão de risco de corrupção e infrações conexas e contribui para promover a homogeneização dos processos em diferentes organizações., en=Since 2009, by request of Concelho de Prevenção de Corrupção (CPC), every organization involved in managing public assets has to prepare a risk management plan for corruption and related infractions. A study carried out by CPC in 2015 revealed that these plans are useful tools to fight against corruption. However, the same study also indicated that most of the organizations did not follow a formal method to guide the execution of such plans, which resulted in significant heterogeneity between the various plans. In this context, it was developed a maturity model to assess a risk management processes for corruption and related offenses (MARCUS). Maturity models allow organizations to understand how processes should evolve over time through discrete levels, diagnoses their capacity and benchmarking. MARCUS was developed through an iterative process and it is aligned with the risk management process established by the ISO 31000 standard. The best practices from risk management on corruption and fraud were also incorporated. MARCUS was validated by experts with relevant experience in the area and by its application in real context to four organizations through a self-questionnaire. It was concluded that the developed maturity model can assist an organization wishing to implement and improve a risk management process of corruption and related infractions and contributes to promote the homogenization of processes across the organizations.}
{pt=Modelo de Maturidade, Gestão do risco, ISO 31000, Corrupção., en=Maturity Model, Risk Management, ISO 31000, Corruption.}

Junho 23, 2017, 14:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

José Luís Brinquete Borbinha

Departamento de Engenharia Informática (DEI)

Professor Associado