Dissertação

{en_GB=Open innovation and its impact on the innovation performance of Portuguese firms} {} EVALUATED

{pt=Com o evoluir das práticas de gestão no século XX, o valor existente fora das empresas foi identificado como fonte de criação de vantagens competitivas. A maior liberdade de circulação de recursos humanos mais qualificados, libertaram o conhecimento de um número reduzido de empresas – que concentravam o potencial inovador - e dispersaram-no. A prática de procurar recursos na envolvente externa da empresa e incorporá-los aos processos de inovação é chamada de inovação aberta. Este trabalho analisa em que medida estão as empresas portuguesas a recorrer a práticas de inovação aberta e se essas práticas melhoram o seu desempenho de inovação. O trabalho baseia-se nos dados do Inquérito Comunitário à Inovação de 2016, realizado entre 2014 e 2016. Uma revisão da literatura permitiu construir um modelo econométrico no qual o desempenho de inovação é medido em duas dimensões: introdução de inovações no mercado e percentagem de vendas dessas inovações. Os modelos de regressão foram construídos usando uma regressão probit e uma fractional probit para testar as hipóteses. Com base na revisão da literatura, foram criados indicadores de inovação aberta para capturar diferentes atividades de inovação aberta. Os resultados mostram que as práticas de inovação aberta têm um impacto significativo e positivo no desempenho da inovação, medido tanto na introdução de novidades, quanto na participação das vendas dessas inovações, e que as atividades de inovação de fora para dentro são muito mais praticadas do que de dentro para fora ou que a combinação das duas anteriores., en=As management practices evolved in the 20th century, businesses realized there was value outside the firm’s scope that could be harnessed and used to generate competitive advantages. The freedom of movement of human resources in liberal markets and the ever-increasing number of resources with a higher education meant that knowledge was less confined to a few companies that held all innovation potential to being more obliquus. The practice of looking to the outside environment for resources and incorporate them in a company’s own innovation processes is called open innovation. This work analyzes to what extent are Portuguese firms using open innovation practices and to what extent do these practices improve the firm’s innovation performance. The work draws on the data available on the Community Innovation Survey 2016 carried out between 2014 and 2016. A literature review was conducted and allowed to build an econometric model in which performance is measured in two dimensions: the introduction of novelty to the market and the share of sales of these innovations. The regression models are built using a probit and a fractional probit regression to test the hypotheses. Based on the survey, open innovation indicators are built to capture different activities from a breadth and depth perspective. The results show that open innovation practices in Portugal have a significant and positive impact on innovation performance measured as both introduction of novelty and the share of sales of these novelties, and that inbound open innovation activities are much more prevalent that outbound or coupled. }
{pt=Inovação aberta, Amplitude e profundidade da inovação, Atividades de inovação aberta, Determinantes da inovação, CIS, en=Open Innovation, Innovation Breadth and Depth, Open innovation practices, Innovation determinants, CIS}

Outubro 8, 2020, 16:0

Orientação

ORIENTADOR

Miguel Simões Torres Preto

Departamento de Engenharia e Gestão (DEG)

Professor Associado