Dissertação

{pt_PT=Adequacy of core drilling in the characterisation of landfilled materials} {} EVALUATED

{pt=Dadas as metas ambientais da União Europeia de minimizar os resíduos enviados para aterro, assim como recuperar tanto terreno quanto possível ocupado por aterros sanitários, é muito útil saber de antemão o que está aterrado. Este trabalho tenta aferir se amostragem convencional – como a utlizada em Geologia e Indústria Mineira – através de carotagem de furos em aterro é um método válido na estimação da composição do aterro na proximidade do furo. Começando com 6 amostras perfazendo quase uma massa de 199Kg, estas foram particionadas em secções mais pequenas, sendo estas últimas crivadas em 4 calibres: <6,3mm, 6,3-10mm, 10-22,4mm, e >22,4mm; cada fracção foi então pesada. Seguidamente, as fracções de calibre maior que 6,3 mm foi visualmente classificada em 12 topologias de diferentes materiais: “tijolo”, “RCD”, “celulose”, “cerâmica”, “FM”, “vidro”, não-FM”, “plástico”, “pedra”, “têxteis”, “indiferenciados”, com a fracção <6,3mm sendo classificada como “não-caracterizados”; como anteriormente, cada categoria foi pesada. Tentou-se então averiguar relações consistentes entre materiais, calibres, e profundidades. Descobriu-se que devido à natureza heterogénea do processo de aterragem (quer em termos de tempo, profundidade, ou extensão lateral), não é possível estimar de forma confiável o conteúdo de um aterro. Porém, um aterro sanitário bem gerido terá mantido livros de registo de resíduos aterrados, assim como as suas massas aproximadas; estes registos podem disponibilizar uma descrição fiável dos materiais aterrados. Finalmente, determinou-se que estas estimativas serão desnecessárias, visto que a U.E. quer escavar e remediar qualquer terreno utilizado como aterro, assim como reutilizar os materiais aterrados como matérias-primas secundárias., en=Given the European Union’s environmental goals of minimising waste being landfilled, as well as recovering as much land as possible currently occupied by landfills, it is of great benefit to know beforehand what is buried. This work attempts to assess whether conventional core drilling – as used in Geology and the Mining Industry – of a landfill is a valid means of estimating its composition near the boreholes. Starting with 6 samples totalling almost 199Kg in mass, they were each divided into smaller sections, which were then sieved into 4 different size fractions: <6,3mm, 6,3-10mm, 10-22,4mm, and >22,4mm; each size component was then weighed. Following this step, each size fraction above 6,3mm was visually classified into 12 different material classes: “brick”, “CDW”, “cellulose”, “ceramic”, “FM”, “glass”, “non-FM”, “plastic”, “stone”, “textiles”, “composites”, with the <6,3mm fraction being classed “non-characterised”; as before, each category had its weight registered. It was attempted to find relationships between materials, calibres, and depths. It was found that due to the heterogenous nature of the landfilling process (whether in terms of time, depth, and lateral progression), it is not possible to dependably estimate the landfill contents. However, a well-managed sanitary landfill would have kept logbooks of deposited wastes, as well as their estimated masses; these can provide a fairly good description of landfilled materials. Finally, it was concluded that these estimations are ultimately unnecessary, as the E.U. wants to dig up and remediate any land used as landfill, and their contents reused as secondary raw materials.}
{pt=Enhanced Landfill Mining, aterro, furo de carotagem, en=Enhanced Landfill Mining, landfill, core drilling}

novembro 29, 2022, 11:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

Maria Teresa Da Cruz Carvalho

Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos (DECivil)

Professor Associado

ORIENTADOR

Maria da Graça Azevedo de Brito

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Professor Auxiliar