Dissertação

{pt_PT=O Potencial dos Open Data para a promoção da complexidade urbana. O exemplo do alojamento local} {} EVALUATED

{pt=A cidade entendida como sistema adaptativo complexo é um desafio para a actividade de planeamento, que implica maior aceitação da imprevisibilidade—maior flexibilidade e menor determinismo—e também que é desejável suscitar a emergência de soluções bottom-up mobilizando a capacidade de auto-organização da sociedade. Nesta perspectiva, o urbanista deve incorporar também o papel de um agente que procura conduzir o sistema cidade para futuros mais desejáveis, criando incentivos para que a inteligência colectiva da sociedade se manifeste e contribua para a criação de soluções sustentáveis e socialmente justas. Perante o recente paradigma das smart cities, em que surgem novas fontes de dados com grande dinamismo para melhor compreender os fenómenos socioespaciais da cidade, existe o receio de que se regresse a uma perspectiva sistémica top-down de planeamento urbano, fora da lógica das abordagens sobre complexidade aplicadas ao sistema urbano. Em simultâneo, surgem condições únicas para incrementar a habilitação espacial dos cidadãos através da generalização do contacto com as novas tecnologias e o aumento das iniciativas baseadas em “dados abertos” (open data). No caso de Lisboa, o recém-surgido portal de dados abertos da cidade é a mais visível manifestação desse potencial e a sua análise torna-se por isso fundamental. Enquadrando o alojamento local como um dos problemas urbanos mais actuais no centro da discussão pública, exploram-se os dados disponíveis sobre esta dinâmica como forma de ilustrar alguns desafios que confrontam o urbanista no âmbito da utilização de dados abertos como meio de promoção da inteligência colectiva., en=Framing cities as complex adaptive systems is a challenge for planning practice that implies accepting uncertainty—more flexibility and less determinism—and fostering the emergence of bottom-up solutions by mobilizing the self-organization capabilities of society. From this view, the role of the planner shifts into an agent that aims to guide the city system to more desirable outcomes, promoting the collective intelligence of society to create sustainable and socially fair solutions. Faced with the recent smart cities paradigm, where new and greatly dynamical sources of data are being generated to understand sociospatial phenomena in cities, there is a concern of a possible return to a systemic top-down view of urban planning unaligned with complexity thinking. Simultaneously, unique conditions are being provided to increase the spatial enablement of citizens, through the wide-spreading of technologies and the growth of open data initiatives. In Lisbon, the recently created city open data portal is the most visible manifestation of that potential, and its analysis is essential. Framing home-sharing as one of the most currently discussed urban problems, the available data about this dynamic are explored to reveal some of the challenges planners face to use open data as a means to promote collective intelligence in the urban society.}
{pt=sistemas adaptativos complexos, alojamento local, dados abertos, wicked problems, habilitação espacial, en=complex adaptive systems, home-sharing, open data, wicked problems, spatial enablement}

Junho 28, 2018, 10:0

Orientação

ORIENTADOR

Jorge Manuel Lopes Baptista e Silva

Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos (DECivil)

Professor Auxiliar