Dissertação

Índice de Atratividade de Investimento Direto Estrangeiro de Groh & Wich: Análise da Robustez e Reconstrução EVALUATED

O presente estudo contribui para mostrar as fragilidades do índice de atratividade de IDE de Groh & Wich (2009) e evidenciar erros comummente detetados na construção de índices. Para conduzir a nossa abordagem seguimos a metodologia de construção de índices de Nardo et al. (2008). Conferimos alguns dos principais fatores determinantes de IDE e detetámos alguns pontos fracos no enquadramento teórico e na seleção dos indicadores individuais do índice, tais como a não distinção entre economias avançadas e economias em desenvolvimento, a não diferenciação entre IDE horizontal e IDE vertical e ainda a inclusão de indicadores com pouca sustentação teórica. Testámos o índice de Groh & Wich (2009) monitorizando a sua evolução nos últimos anos para um grupo de economias avançadas. Através de uma análise multivariada mostrámos que os agregados não estão construídos de forma a otimizar a concordância entre os indicadores-base. Para além disso, mostrámos que a retirada de alguns indicadores melhora substancialmente a consistência dos agregados e que a ponderação atribuída aos agregados não é a mais ajustada. Posteriormente fez-se uma comparação entre a evolução do IDE e a evolução do índice produzido, entre os anos 2006 e 2011. A análise mostrou que, para 12 dos 21 países analisados individualmente, a evolução do país no índice não é concordante com a evolução real de captação de IDE. Fortalecemos a ideia de que o índice não transmite a evolução real de entrada de IDE para os países em estudo.
IDE, Índice de Atratividade, Economias Avançadas, Fluxo de Entrada

Julho 2, 2013, 10:0

Documentos da dissertação ainda não disponíveis publicamente

Orientação

ORIENTADOR

João Manuel Marcelino Dias Zambujal de Oliveira

Departamento de Engenharia e Gestão (DEG)

Professor Auxiliar