Dissertação

Wage Differentials, Age and Human Capital among Engineering and Business Graduates in Portugal (2000-2009) EVALUATED

O objectivo desta tese consiste em examinar se as remunerações dos trabalhadores tendem a crescer com a antiguidade e/ou idade, base fundamental da teoria do capital humano. Para este trabalho utilizou-se uma base de dados longitudinal portuguesa (empregador-empregado) para estimar as remunerações médias com a antiguidade de trabalho, idade, experiência e formação, entre engenheiros e gestores/economistas. O estudo empírico centra-se numa amostra masculina de trabalhadores remunerados entre os anos 2000 e 2009. O procedimento dos mínimos quadrados (OLS) é proposto a fim de avaliar se a acumulação de capital humano tem uma grande importância na definição do ciclo de vida dos ganhos e na relação com o trabalho. Neste sentido foram levados em conta diferentes perfis profissionais no sentido de analisar o efeito do capital humano com aumento das remunerações no mercado de trabalho. Os resultados demonstraram que a antiguidade e/ou idade têm impacto positivo no crescimento das remunerações, principalmente até 65 anos. No entanto, para engenheiros e gestores os resultados diferem quando avaliados separadamente. Sem restrição da idade, os salários tendem a crescer à medida que o capital humano também acumula. Considerando a idade, o efeito diminui ligeiramente até 65 anos (para gestores não há efeito significativo). No geral, a acumulação de capital humano é uma componente importante no ciclo de vida dos ganhos dos indivíduos. Para engenheiros e gestores, o efeito sobre o salário é pequeno, enquanto que a experiência e posição conta mais para o crescimento das remunerações ao longo da carreira.
Teoria do Capital Humano, Perfil salário-posse, Dados longitudinais, STATA

Junho 26, 2013, 14:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

António Miguel Areias Dias Amaral

Departamento de Engenharia e Gestão (DEG)

Professor Auxiliar