Dissertação

Skills and Jobs: Polarization in the Portuguese Labor Market? EVALUATED

Desde o início do século XX, as tecnologias e as competências são consideradas complementares. Os salários e emprego dos trabalhadores com mais competências aumentaram. Contudo, nos anos noventa, a evolução não é consistente com esta ideia. A tecnologia beneficia tanto os trabalhadores com mais e com menos competências enquanto os com competências intermédias desaparecem - polarização ocupacional. A explicação mais plausível relaciona-se com o decréscimo no preço do computer capital: hipótese de rotinização. Esta hipótese, prediz que as tarefas rotineiras (e.g., guarda-livros) estão a ser substituídas por computer capital, aumentando assim as tarefas abstractas (e.g., gestores) e manuais (e.g., limpeza). Reformulou-se o modelo de Autor et al. (2006) para não depender somente da educação, aumentando a aplicabilidade a mercados de trabalho com baixa educação. Usando uma base de dados empregado-empregador, explorou-se a evolução do emprego e salários entre 1985-2007. Resultados mostram a ocorrência de polarização ocupacional - ocupações manuais e abstractas crescem, enquanto as rotineiras se mantêm - sendo as mudanças dentro da indústria as mais importantes. Usando a base de dados O*NET criaram-se medidas para tarefas/deslocalização, dando evidências que suportam a polarização do emprego e salários. Os resultados mostram que a hipótese de rotinização se adequa aos salários até 1998. Após 1998, os resultados sugerem que a evolução dos retornos das tarefas depende do tamanho da empresa. Para Portugal, mostra-se evidência da importância crescente da deslocalização. Finalmente explora-se os salários dentro das empresas portuguesas onde é rejeitada a hipótese de polarização.
Tecnologia, Polarização Ocupacional, Deslocalização, Rotinização

Novembro 21, 2011, 15:0

Documentos da dissertação ainda não disponíveis publicamente

Orientação

CO-ORIENTADOR

Sónia C. Pereira

Barnard College da Columbia University

Assistent Professor

ORIENTADOR

Francisco Miguel Garcia Gonçalves de Lima

Departamento de Engenharia e Gestão (DEG)

Professor Auxiliar