Dissertação

Racionalidade e Afectividade na Gestão de uma Marca EVALUATED

Desde a Grécia Antiga que o conceito de marca existe. No entanto, apenas no século XX este ganha dimensão enquanto fenómeno económico e social. Neste contexto emerge a preocupação pela gestão da marca (Branding) e o aparecimento das mais variadas teorias do comportamento do consumidor. Normalmente, compras e/ou decisões de grande envolvimento para o consumidor são apresentadas como baseadas, sobretudo ou mesmo totalmente, em apelos cognitivos e envolvendo racionalidade por parte do consumidor. Contudo, crê-se que a capacidade que uma marca tem em gerir emoções através de apelos afectivos pode ser tão importante e fundamental no seu sucesso quanto a capacidade de gerar apelos cognitivos. Sendo a entrada para o ensino superior um dos momentos mais importantes na vida académica de alguém e, também, dos que exige maior reflexão e ponderação, propõe-se assim estudar o que leva alguém, neste caso especifico, a optar pela marca Instituto Superior Técnico (IST) como instituição para prosseguir os seus estudos. Que tipo de apelos exerceram maior peso nessa tomada de decisão, cognitivos, afectivos ou ambos? Na tentativa de ir de encontro à questão anteriormente levantada foi desenvolvido um questionário - tendo em conta estudos anteriormente realizados sobre atitudes do consumidor perante uma marca - para os alunos do IST responderem. Os resultados obtidos nesse mesmo questionário serão alvo de uma análise estatística cuidada e rigorosa, e fornecem informações que permitem esclarecer a natureza dos apelos utilizados na escolha da marca IST.
Apelos Afectivos, Apelos Cognitivos, Branding, Envolvimento, Marca

Novembro 15, 2010, 9:30

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

Ana Sofia Mascarenhas Proença Parente da Costa

Departamento de Engenharia e Gestão (DEG)

Professor Auxiliar