Dissertação

Floodplain inundation models and SAR imagery analysis EVALUATED

As cheias constituem 40% de todos os desastres naturais mundiais. Nos últimos cem anos têm sido o fenómeno natural mais mortífero em Portugal, sendo o Baixo Tejo o local onde ocorrem as maiores cheias em termos de área inundada. Este artigo centra-se na calibração de modelos 2D de simulação de cheias para eventos de 2001 e 2006, num troço de 70 km do Rio Tejo, recorrendo ao modelo numérico Tuflow, que resolve as equações bidimensionais de superfície livre em águas pouco profundas. Os modelos de inundação foram baseados num modelo digital de terreno adquirido em 2008 por técnicas de radar, em medições in situ de nível de água em Ómnias (condição-fronteira a jusante) e no caudal em Tramagal e Zêzere (condições-fronteira a montante). Cinco diques foram introduzidos nos modelos. Um estado estacionário inicial foi garantido. Utilizaram-se classes de ocupação do solo CORINE Land Cover 2006, combinadas com coeficientes de rugosidade obtidos na literatura. Mapas de inundação obtidos a partir de imagens de radar de abertura sintética permitiram a calibração dos modelos para as diversas cheias. Estes mapas foram comparados com os mapas de inundação simulados e os coeficientes de rugosidade foram alterados em conformidade. Obtiveram-se, assim, mapas de coeficientes de rugosidade. Com estes mapas foi efetuada uma simulação para a maior cheia do século XX (fevereiro de 1979), para a qual não existe imagem SAR; neste caso, a validação do modelo foi feita usando os valores de nível de água nas marcas de cheia distribuídas pela planície de inundação.
Inundações fluviais, Calibração de modelos de cheia, Tuflow, imagens SAR, Rio Tejo

Novembro 13, 2014, 11:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

CO-ORIENTADOR

João Filipe de Barros Duarte Fonseca

Departamento de Física (DF)

Professor Auxiliar

ORIENTADOR

Sandra Isabel das Neves Heleno da Silva

IST

Investigador