Dissertação

Design optimization of Muon counters for Auger Observatory EVALUATED

O número de muões gerados numa cascata atmosférica extensa reflete a composição do raio cósmico que interagiu no topo da atmosfera. Uma vez que os muões perdem pouca energia na atmosfera, apenas uma pequena fracção destes irá decair antes de atingir a superfície terrestre. Os restantes terão energia suficiente para atingir vários metros de profundidade no solo antes de decair, atingindo geralmente uma profundidade maior do que a maioria dos electrões e fotões provenientes da componente electromagnética do chuveiro. Por esse motivo, de forma a obter uma medição mais directa do número de muões, os detectores de muões de AMIGA, uma extensão do Observatório Pierre Auger, irão ser enterrados a uma profundidade de cerca de 3m, equivalente a 540g=cm2 . Os muões são também bons mensageiros das interacções hadrónicas de altas energias que ocorrem no topo da atmosfera, contribuindo deste modo para aperfeiçoar os modelos existentes para estas energias que não podem ser estudados em aceleradores de partículas e que, actualmente, sub-estimam o número de muões gerados num chuveiro. O objectivo deste trabalho é estudar, através de simulações, a resposta em sinal e ruído de fundo causado pelas partículas secundárias geradas pelo muão nos detectores de AMIGA. Em seguida, vai-se proceder ao estudo da função de distribuição lateral dos muões medida pela rede triangular de 750m de detectores de muões em AMIGA. Esta função de distribuição lateral ir? ter em conta as partículas secundárias geradas pelo muáo e a resposta em sinal e a resolução temporal do detector.
Raios Cósmicos de Energias Elevadas, Cascatas Atmosféricas Extensas, Observatório Pierre Auger, AMIGA - Auger Muons and Infill for the Ground Array, Função de Distribuição Lateral dos muões

Outubro 28, 2008, 11:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

Mário João Martins Pimenta

Departamento de Física (DF)

Professor Associado