Dissertação

Evolution of Cooperation through Graduated Punishment EVALUATED

Compreender os mecanismos que promovem e mantêm a cooperação é reconhecido como um problema teórico central. Saber como a espécie humana deve cooperar poderá ajudar a resolver questões complexas globais como a proteção ambiental, a qual requer esforços coletivos. A presente dissertação de mestrado foca-se no papel das punições graduais, geridas por instituições, na emergência de cooperação em dilemas sociais. Estudos anteriores analisaram o efeito de punições estritas (ou incondicionais) em jogos de bem público e dilemas de risco coletivo. Contrariamente, punições graduais consistem em sanções cuja severidade é gradualmente ajustada segundo o estado do sistema. Este tipo de punição é um princípio fundamental observado empiricamente em sistemas de recursos comuns que são casos de sucesso. Usando Teoria de Jogos, Dinâmica Evolutiva e Processos Estocásticos, propõe-se um novo modelo de evolução em populações finitas, onde os indivíduos participam em jogos a N pessoas com três estratégias possíveis – cooperador, desertor e punidor. Conclui-se que as punições graduais promovem e preservam a cooperação melhor do que as estritas. Esta melhoria é realçada se também os custos necessários para estabelecer a instituição externa forem graduais. Para além disso, instituições locais são mais efetivas do que uma global. Por fim, considerando recompensas em vez de punições, provamos que também estas devem ter um caráter gradual.
evolução da cooperação, dilema de risco coletivo, punição gradual, gestão ambiental

Novembro 29, 2018, 14:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

José Luís Rodrigues Júlio Martins

Departamento de Física (DF)

Professor Catedrático

ORIENTADOR

Francisco João Duarte Cordeiro Correia dos Santos

Departamento de Engenharia Informática (DEI)

Professor Associado