Disciplina Curricular

Estruturas de Betão II EB-II

Mestrado Integrado em Engenharia Civil - MEC 2016

Contextos

Grupo: MEC 2016 > 2º Ciclo > Áreas de Especialização > Estruturas

Período:

Grupo: MEC 2016 > 2º Ciclo > Áreas de Especialização > Geotecnia

Período:

Peso

6.0 (para cálculo da média)

Objectivos

Concepção do pré-esforço e seus efeitos nas estruturas. Comportamento das estruturas pré-esforçadas. Dimensionamento do pré-esforço e verificação da segurança aos estados limites últimos e de utilização em estruturas pré-esforçadas. Dimensionamento das zonas de ancoragem. Estruturas pré-esforçadas hiperstáticas. Avaliação comportamento de lajes de Betão Armado. Dimensionamento e pormenorização de armaduras em lajes vigados e fungiformes. Dimensionamento de fundações em Betão Armado. Sapatas e estacas. Execução de estruturas pré-esforçadas.

Programa

1. COMPLEMENTOS SOBRE O COMPORTAMENTO EM SERVIÇO DE ESTRUTURAS DE BETÃO Fendilhação: modelos de comportamento e verificação da segurança - controlo directo da fendilhação. Distinção entre acções directas e indirectas. Efeitos de deformações impostas e restringidas - armaduras mínimas para controlo da fendilhação. Deformação: modelos de comportamento e verificação da segurança - Método dos coeficientes globais para vigas contínuas e lajes. 2. COMPLEMENTOS SOBRE COMPORTAMENTO E VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA DE LAJES Lajes vigadas: análise e dimensionamento - painéis integrados em sistemas estruturais de pavimentos; pormenorização de armaduras. Lajes fungiformes: modelos de análise e dimensionamento; pormenorização de armaduras. Punçoamento - modelos de dimensionamento e verificação da segurança; pormenorização de armaduras. Lajes fungiformes aligeiradas: aspectos particulares de dimensionamento e pormenorização de armaduras. 3. COMPLEMENTOS DE PRÉ-ESFORÇO Estados limites últimos de resistência: Flexão e Esforço Transverso. Pré-esforço em estruturas hiperstáticas - traçados de cabos e "cargas equivalentes". Introdução ao pré-esforço em estruturas laminares. Perdas de pré-esforço. 4. ZONAS DE DESCONTINUIDADE EM BETÃO ESTRUTURAL - MODELOS DE CAMPOS DE TENSÕES Zonas "B" ↔ Zonas "D" - Construção / definição de modelos de dimensionamento para regiões de descontinuidade. Aplicação a casos típicos correntes: vigas-parede, consolas curtas, zonas de ancoragem, "nós" de pórticos e el. de fundações (directas e indirectas). 5. COMPLEMENTOS DE ESTRUTURAS EM PÓRTICO Pilares inseridos em pórticos - avaliação dos efeitos de 2ª ordem em estruturas porticadas.

Metodologia de avaliação

A avaliação de conhecimentos nesta disciplina é por exame final. No entanto, os alunos terão a possibilidade de resolverem e entregar dois trabalhos práticos que serão avaliados para 4 valores, valendo neste caso o exame 16 valores. Vale sempre a nota mais alta, entre a combinação trabalhos+exame e o exame isolado. Se a avaliação for realizada com os trabalhos práticos a nota mínima no exame é 8.5 valores. Os alunos com nota superior a 10 poderão apresentar-se a prova oral. Os alunos com nota superior a 16 terão de fazer uma prova oral, caso contrário terão como nota final 16 valores.

Disciplinas Execução

2018/2019 - 2ºSemestre

2017/2018 - 2ºSemestre

2016/2017 - 2ºSemestre