Dissertação

Development of Capacitive Electrodes EVALUATED

O presente trabalho aborda a implementação de um processo para a fabricação de eléctrodos capacitivos. O procedimento usa moldes de óxido de alumínio (OA) nanoporosos preenchidos com níquel. Após a remoção do molde de alumina, os eléctrodos de níquel tem a superfície coberta com nanofios. Por cima, dois materiais dieléctricos, álcool polivinílico e dióxido de titânio, foram depositados para aumentar ainda mais a sua capacidade. No desenvolvimento dos moldes de alumina nanoporosa, os estudos iniciais focaram-se no controle da morfologia. De seguida, os eléctrodos nanoestruturados (Eléctrodos I) foram caracterizados em termos da capacidade eléctrica. O maior aumento da capacidade foi para os eléctrodos fabricados com um molde de OA poroso obtido através de dupla anodização com corrente constante de 70 mA. Este aumento variou com a frequência, sugerindo a existência de um sistema de dispersivo. O aumento foi de 25.29 % e 32.73 % para 100 Hz e 1 kHz, respectivamente, em relação a um eléctrodo de referência (a 1 mm). Um segundo tipo de eléctrodos (Eléctrodos II) foi desenvolvido por um processo mais simples que consiste num filme de uma dispersão de nanotubos de carbono no polímero condutor PEDOT:PSS num contacto de alumínio. O objectivo era verificar se esta abordagem resultava no aumento da rugosidade para que a área superficial aumentasse, uma vez que seria mais simples do que o processo anterior usado para Eléctrodos I. A sua capacidade foi medida. Não se verificou um aumento significativo, sugerindo que o conteúdo de nanotubos de carbono era demasiado baixo.
Eléctrodos capacitivos, alumina anodizada porosa

Setembro 25, 2014, 13:30

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

CO-ORIENTADOR

Maria Isabel de Sousa Rocha

Instituto de Fisiologia, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Portugal

Professora Associada

ORIENTADOR

Jorge Manuel Ferreira Morgado

Departamento de Bioengenharia (DBE)

Professor Associado