Dissertação

Mechanistic modelling of product degradation EVALUATED

A estabilidadede novos produtos farmacêuticos é crucial para a indústria farmacêutica. Todos os anos estas empresas gastam milhões de dólares em programas de estabilidade de novos produtos farmacêuticos. Caso estes produtos sejam considerados instáveis sob as regras das agências reguladoras, uma nova formulação terá de ser proposta. Foi desenvolvido um modelo preditivo em gPROMS ModelBuilder que ao analisar diversos ensaios em condições aceleradas, estabelece um tempo de prateleira plausível para o fármaco em estudo. O modelo foi validado e recorrendo a análises de sensibilidade e de incerteza dos inputs foi possível verificar o grau de incerteza da data de validade. Foi ainda criado um modelo adicional que prevê a degradação destes produtos na sua emabalgem e na presença de disecantes. Concluiu-se que a incerteza de factores externos (temperatura e humidade relativa) e de factores cinéticos (Ea, A e B) têm grande impacto no produto e o emabalmento estende o seu tempo de prateleira. A adição de espécies químicas a produtos parentéricos pode levar a fenómenos de precipitação devido às baixas solubilidades dos compostos formados. Na segunda parte do trabalho foi desenvolvido um modelo matemático em gPROMS ModelBuilder que calcula a concentração de espécies químicas em solução e precipitadas numa formulação parentérica. Verificou-se que o citrato é um bom agente quelante do ferro. O estudo dos resultados com análises de incerteza permitiu concluir que quando a concentração de ferro numa solução apresenta uma distribuição probabilística, a concentração de citrato previamente encontrada deixa de ser eficaz.
Estabilidade de produtos farmacêuticos, gPROMS, modelação, soluções parenterais

Outubro 21, 2016, 11:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

José Monteiro Cardoso de Menezes

Departamento de Bioengenharia (DBE)

Professor Associado

ORIENTADOR

Edward Close

Process Systems Enterprise (PSE)

Doutor