Dissertação

Da Torre de Belém à Foz do Jamor. Centro Cultural de Algés "TectonicART epicenter" EVALUATED

RESUMO A zona ribeirinha entre a Torre de Belém e a Foz do Jamor, apesar de todo o seu potencial económico, natural e social, encontra-se subaproveitada. Todo esse território e a zona de Algés em particular, é administrada entre três entidades, nomeadamente a Câmara Municipal de Lisboa, a Câmara Municipal de Oeiras e a Administração do Porto de Lisboa, sem qualquer estratégia conjunta de intervenção e reabilitação urbana. O território jaz assim estéril de iniciativas, o que possibilita desenvolver uma solução integrada de dinamização urbana que passa inicialmente por uma organização do território atendendo a todas as questões que a escala urbana e o território em particular exigem. A margem sul, a relação e contacto com o rio, a mobilidade urbana e a criação de novos espaços de permanência e equipamentos são incógnitas que devem constar na equação de requalificação e ordenamento do território que em conjunto, promovam um crescimento económico sustentado. Foi com base nesses pressupostos que foi desenvolvida uma estratégia de reabilitação urbana para a zona ribeirinha enquanto cidade acolhedora de pessoas e dinamizadora de actividades e investimento. A uma escala mais pormenorizada, foi realizado o projecto para um dos equipamentos propostos na frente ribeirinha, o centro cultural de Algés designado por “tectonicART epicenter”.
arquitectura, cultural, centro, algés, muralha, tectónica

Julho 12, 2018, 9:0

Publicação

Obra sujeita a Direitos de Autor

Orientação

ORIENTADOR

António Manuel Barreiros Ferreira

Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos (DECivil)

Professor Catedrático Convidado