Breve Introdução

A génese do curso de engenharia do território esteve no início muito ligada às competências desenvolvidas no Departamento de Engenharia Civil na área do ordenamento do território e urbanismo tendo-se criado a convicção de que só era possível formar engenheiros particularmente habilitados neste domínio se fosse oferecido um espaço de formação próprio e autónomo embora partilhando alguma formação de base comum aos dois cursos deste Departamento - Engª. Civil e Arquitectura.

Entende-se que o Engenheiro do Território deve ter uma formação de base que o habilite para a compreensão e intervenção plena no processo de infraestruturação do território, uma compreensão relacionada com a física dos materiais e da construção que lhe dê um entendimento básico sobre as implicações das obras de engenharia no território.

Objectivos

Os objectivos formativos e o desenvolvimento de aptidões para a Licenciatura em Ciências de Engenharia - Engenharia do Território são:

  • Conhecimento e compreensão fundamental das ciências básicas da engenharia - Matemática, Física, Química, Computação - e sua aplicação no contexto da área profissional da engenharia nomeadamente na resolução de problemas e no suporte às técnicas e projecto de intervenções.
  • Conhecer e compreender as características do suporte biofísico, geológico e geográfico, o ambiente natural, o seu valor ecológico e social, o seu potencial para o desenvolvimento socio-económico e as restrições/ condicionamentos que influenciam esse mesmo desenvolvimento;
  • Conhecer e compreender as ciências da engenharia, ao nível das estruturas, dos materiais e das tecnologias, que suportam a intervenção física e construída sobre o território e a aplicação desse conhecimento na elaboração de projectos de infraestruturação do território.
  • Conhecer e compreender o sistema social e cultural, a génese histórica da ocupação humana do território e da evolução da sociedade;
  • Apreender o sistema de organização institucional no que se refere à intervenção sobre o território e os princípios de gestão das organizações;
  • Conhecer e compreender a importância dos recursos (não apenas os recursos humanos e financeiros mas também os culturais e naturais);
  • Capacidade para recolher, analisar e interpretar dados quantitativos e qualitativos, o processamento estatístico de dados, análise de informação para apoio à decisão, e utilização de sistemas de informação, particularmente os de natureza geográfica, bem como entender o correspondente processo de apresentação de conclusões e de comunicação;
  • Capacidade de resolver problemas básicos e gerar respostas aos desafios de planeamento e ordenamento do território, que decorram de investigação substantiva, da análise dos dados, das situações e das evidências;
  • Conhecer as principais implicações da escala de análise - de pormenor, local, urbana, regional, supra regional - e da escala do tempo, no urbanismo e no processo de planeamento e ordenamento do território - o curto, médio, longo e muito longo prazo (sustentabilidade) - e suas implicações no tipo de respostas e de soluções preconizadas e na forma como os seus impactos podem ter efeitos diferenciados no tempo e no espaço;
  • Compreender o significado e as implicações da sustentabilidade no papel que o planeamento e o ordenamento do território podem ter na promoção do desenvolvimento económico e social, reconhecendo o papel que neste domínio têm a gestão de processos e de conflitos, a análise custo-benefício e a avaliação multicritério, no apoio ao processo de tomada de decisão.

Saídas Profissionais

O 1º ciclo do curso de Engenharia do Território - o qual, uma vez concluído, concede o título de Licenciado em Ciências de Engenharia - Engenharia do Território - não é habilitante para o exercício da profissão de engenheiro nomeadamente para tarefas de concepção e projecto. Contudo o conhecimento e compreensão das ciências básicas da engenharia, do suporte físico, geológico e geográfico, dos recursos, da organização institucional e de algumas ciências da engenharia pode dar lugar, no mercado de trabalho, ao exercício de funções de apoio ao projecto de infraestruturas viárias e de saneamento básico e à elaboração de estudos e planos de ordenamento do território, como por exemplo: a elaboração de levantamentos topográficos e cadastrais; levantamentos funcionais e urbanísticos; trabalhos preparatórios de estudos de circulação e transportes, como por exemplo a participação em planos de contagem de tráfego; operação básica com sistemas CAD ou com Sistemas de Informação Geográfica.

Coordenadores

2011/2012
Rui Manuel Moura de Carvalho Oliveira
roliv@tecnico.ulisboa.pt

A informação contida nesta página é da responsabilidade da equipa de coordenação do curso.