Breve Introdução

Apoiado na sua longa e reconhecida experiência de ensino de engenharia, o Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores (DEEC) criou a nova Licenciatura em Engenharia Electrónica (LEE). A LEE tem como objectivo formar licenciados com conhecimentos avançados nas novas tecnologias de realização e concretização de sistemas. A LEE conjuga o ensino tradicional, que normalmente estimula a capacidade de análise dos alunos, com novos métodos de ensino, adequados ao estímulo da capacidade criativa e de concretização dos alunos. A LEE usa técnicas de ensino que não são possíveis em cursos grandes e está organizada para ter um número restrito de alunos por ano. A localização da LEE nas instalações do IST, no parque tecnológico Taguspark, visa propiciar um relacionamento mais próximo entre a universidade e as empresas de cariz tecnológico.

Historial

A Licenciatura em Engenharia Electrónica funcionou no ano de 2003 2004 pela primeira vez. No entanto esta licenciatura capitaliza numa vasta experiência que o Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores, o departamento responsável pela Licenciatura, tem de ensino nesta área. Essa experiência é complementada por idênticos níveis de competência nos outros Departamentos que colaboram no projecto lectivo da Licenciatura.

A colocação da Licenciatura nas instalações do IST no Taguspark, potencia uma maior envolvência com a actividade empresarial de ponta na área e dá suporte a formas de ensino mais adequadas ao objectivo de criar nos alunos uma apetência por levar novas ideias à prática e assumir atitudes empreendedoras.

Objectivos

A Licenciatura em Engenharia Electrónica contempla um perfil de engenheiro com um espectro largo de conhecimentos e capacidades, centrado nas tecnologias mais avançadas dos componentes, equipamentos e sistemas electrónicos modernos, em todas as suas vertentes. Sem deixar de incluir os conhecimentos de técnicas de programaçã e de sistemas de informação, actualmente indispensáveis em qualquer ramo de engenharia, a nova licenciatura incide, especialmente, sobre a concretização material dos sistemas de comunicação, de controlo, de medida e dos sistemas informáticos.

Procura-se, quer pelas áreas científicas envolvidas, quer pela perspectiva inovadora dada ao ensino e à sua organização, estimular as capacidades criativas e de realização material, fornecendo aos alunos os conhecimentos necessários à finalização dos equipamentos e sistemas. Para além do projecto usando as tecnologias mais avançadas, são contemplados o teste, a fiabilidade, a qualidade e outros aspectos ligados à produção industrial. Este perfil de formação adapta-se às necessidades do mercado de trabalho, que foram identificadas numa análise de enquadramento estratégico, mas, fundamentalmente, permitirá introduzir, neste mercado, novas metodologias de concepção de sistemas tendo em vista o aumento da competitividade internacional da indústria nacional.

Para além das disciplinas base de Engenharia, é oferecido um conjunto de conhecimentos ligados aos aspectos nucleares da Engenharia Electrotécnica, mas orientados para os problemas mais específicos dos Sistemas Electrónicos. É central a opção de oferecer conhecimentos em áreas complementares, o que leva a buscar a colaboração de outros departamentos, como é o caso dos de Engenharia Informática, de Engenharia Mecânica, e de Economia e Gestão, para além da clássica colaboração dos departamentos de Matemática, Física e Química na leccionação das Ciências Básicas.

A organização do curso permite que, a par de uma sólida formação de base complementada por uma formação tecnológica avançada, haja, na fase terminal, a possibilidade de formatar a aprendizagem de acordo com opções mais definidas do estudante ou de novas oportunidades estratégicas de mercado percebidas, ou mesmo assumidas, em parceria com empregadores particularmente relevantes. É esse o papel das cadeiras de opção. O aluno poderá optar entre grupos coerentes de cadeiras que dão a tónica final do seu perfil de formação.

Saídas Profissionais

O mercado de trabalho nesta área tem, fundamentalmente, quatro componentes: investigação, projecto, produção e serviços.

  • No sector da investigação a nova licenciatura ao propiciar um ambiente estimulante para o desenvolvimento da capacidade criativa, vai permitir formar engenheiros ao mais alto nível especialmente dotados para a investigação científica em grupos internacionais.
  • No sector do projecto de equipamento electrónico há várias empresas portuguesas com actividade relevante, mesmo a nível internacional, que necessitam de projectistas de electrónica, no domínio dos sistemas electrónicos analógicos e digitais de elevada qualidade. Por outro lado, algumas das empresas multinacionais instaladas no país estão a transferir progressivamente para Portugal actividades de projecto, tendência que se deverá desenvolver no futuro próximo, dada a reconhecida falta de engenheiros com as qualificações necessárias existente por toda a Europa.
  • As empresas ligadas à prestação de serviços nas áreas das Tecnologias de Informação, carecem de engenheiros capazes de seleccionar, configurar e manter os equipamentos e sistemas de suporte à sua operação e, em certos casos, fornecer a clientes soluções relativas a este tipo de sistemas
  • As empresas industriais de todos os tipos necessitam de quadros competentes na utilização, integração, configuração e programação dos sistemas electrónicos que hoje são imprescindíveis à operação de qualquer instalação fabril. Algumas destas empresas integram fileiras industriais de impacto nacional: cimentos, madeira e derivados incluindo móveis, cortiça, automóvel incluindo os fornecedores de componentes, papel e têxtil.

É ainda importante referir que nos últimos anos têm aparecido hipóteses de grandes investimentos por parte de grupos multinacionais na área da microelectrónica, que acabam por não se concretizar, sendo uma das causas referidas a falta de recursos humanos de elevada qualificação, com o perfil adequado e em quantidade suficiente.

Existe ainda a perspectiva do mercado de trabalho europeu. Há procura para engenheiros portugueses na Europa, devido à qualidade da sua formação, às características multifacetadas do seu perfil, e à já referida falta de quadros em muitos dos países europeus. A nova licenciatura vai dar aos licenciados vantagens competitivas em temos internacionais.

Coordenadores

2006/2007

A informação contida nesta página é da responsabilidade da equipa de coordenação do curso.